Compartilhe:

Com o objetivo de destacar a importância dos jovens no mercado de trabalho, assim como a valorização da aprendizagem profissional, em 24 de maio, é comemorado o dia do aprendiz. A Unilehu, por meio do Programa Mais Aprendiz, vem capacitando jovens – com ou sem deficiência – desde 2009. Somente neste ano, 71 aprendizes já passaram pelo programa e, atualmente, mais de 300 estão em formação teórico e prática

Em comemoração à data, o Mais Aprendiz promove uma semana com o tema Profissões, que acontece de 24 à 30 de maio. Cada turma de aprendizagem foi dividida em grupos de seis pessoas, que ficarão responsáveis pela pesquisa e apresentação de uma profissão. Em seguida os grupos apresentarão para uma comissão, que avaliará o conteúdo e escolherá a melhor equipe do dia. Como prêmio, cada membro da equipe receberá uma caneca personalizada do Programa Supera, com arte alusiva ao jovem aprendiz.

Para a presidente da Unilehu, Andrea Koppe, celebrar a data é mais uma maneira de lembrar as empresas que investir nos jovens vai além de apenas uma obrigação legal “É preciso que as empresas acreditem no potencial da nova geração e ofereçam a oportunidade de aprendizado em seus ambientes de trabalho. Contribuir com essa causa trás a possibilidade de um novo caminho para a juventude”.

A coordenadora do Mais Aprendiz, Aline de Borba, destaca o engajamento dos alunos para o sucesso do programa. “Percebemos o quanto essa oportunidade, que une qualificação e trabalho, contribui para o crescimento dos jovens, e como eles se empenham nisso”.

Anderson Favaro Tomio, de 23 anos, participa da aprendizagem pela empresa Exxon. Há dois anos no programa, ele conta que decidiu fazer parte por acreditar em uma nova oportunidade. “Estar aqui me trouxe vários benefícios, como novos conhecimentos, novas ideias e formas de pensar em relação ao programa”. Tomio ainda fala das mudanças ocorridas por meio do programa. Para ele, hoje há um preparo maior para enfrentar o mercado de trabalho.  “Vejo que estou apto para enfrentar novos desafios seja como aprendiz ou como efetivo e acho que todo esse processo conta muito na sua carreira profissional. Tenho mais conhecimento e, com certeza, muitas portas irão se abrir no decorrer da vida”.

O aprendiz Gabriel da Paz Rodrigues, de 19 anos, aprendiz da empresa Exxon, há quase dois anos, conta que se inscreveu no programa por meio de uma indicação. “Estava a procura de emprego, então uma amiga minha me informou sobre o programa e sobre como funcionava”. De acordo com ele, várias mudanças aconteceram devido a participação no Mais Aprendiz, sobretudo na área profissional. “Antes, eu não tinha ideia de que curso fazer, nunca tinha imaginado fazer inglês, nunca tinha pensado em me especializar, então vejo que mudei sim”.

Para a aprendiz da Renaut, de 19 anos, Erica Nardini, o programa a possibilitou trabalhar em uma multinacional, fazer cursos profissionalizantes em diversas áreas, além de ter a oportunidade de conviver com pessoas com deficiência. Erica ainda conta sobre as mudanças decorrentes à participação no programa. “Adquiri ao longo desse tempo, pontualidade e responsabilidade. A minha visão sobre as profissões foi ampliada”.

04 03