Geração Futuro retorna as aulas em modo online
17/09/2020
Show all

Emprego Apoiado como forma de inclusão

Em 2015 a Unilehu acreditou na possibilidade de inovar e incorporar em suas áreas a metodologia do Emprego Apoiado que comprova sua eficácia quando se fala em atendimento centrado na pessoa.

Pela característica de um atendimento customizado e direcionado nas potencialidades e habilidades de cada pessoa, a metodologia foi implantada e ganhou a devida importância por trazer resultados significativos na inclusão de pessoas com incapacidade mais significativa. Bem como com pessoas que estão em vulnerabilidade social.

O Emprego Apoiado é um programa que busca a inserção da pessoa com deficiência no mercado de trabalho formal, de forma remunerada e competitiva. Criado nos Estados Unidos, no final da década de 70, foi trazido ao Brasil nos anos 90 por Romeu Sassaki e Alexandre Betti.

Em 2015, a Unilehu credenciou-se a Associação Nacional do Emprego Apoiado (ANEA) e passou a realizar o programa pela instituição. Por meio dele é possível criar um ambiente de trabalho adequado a realidade de cada indivíduo, respeitando suas dificuldades e explorando o que há de melhor em seu potencial, superando o assistencialismo e o mero cumprimento da Lei de Cotas. O programa é dividido em etapas, todas realizadas com o acompanhamento de um técnico. Ele auxilia nas descobertas das competências, habilidades e dos desejos profissionais da pessoa, e faz a mediação entre o participante, a empresa e a família, para estabelecer acordos que irão auxiliá-lo em seu processo de desenvolvimento.

Em parceria com o consultor de Alexandre Betti, que foi o primeiro brasileiro a escrever um livro sobre o tema, a Unilehu promoveu com a denominada Secretaria da Pessoa com Deficiência,  o curso de EA para profissionais da rede de CAPs, CREAS e também para 2 de seus psicólogos.

No ano de 2017, a Unilehu promoveu o primeiro curso de formação de consultores em Emprego Apoiado, com a chancela da ANEA – Associação Nacional de Emprego Apoiado. Foram 6 meses de aulas teóricas e 6 meses de execução prática da metodologia aos usuários da Instituição, que esperavam pela oportunidade de serem atendidos e direcionados a vagas de acordo com seu perfil vocacional. Ao final do curso foram formados 12 consultores que puderam dar vazão a uma fila de espera de aproximadamente 30 pessoas. Os consultores se tornaram prestadores de serviço pela rede externa de atendimento da Unilehu.  

Desde então, a técnica responsável pela área de Emprego Apoiado, Ligia Pauli, e a vice-presidente da Unilehu, Yvy Abbade, vem trabalhando para a disseminação da metodologia através de palestras, cursos de formação de consultores, publicação de artigos científicos e de capitulo em livro relatando um, de seus vários cases. “Destacamos aqui a importância do trabalho ser realizado de forma ampla, uma vez que a Unilehu atende a todos os públicos para inclusão, o que permite a prática aplicada em todos os tipos de deficiência, todos os transtornos psicossociais, na inclusão de pessoas contempladas, ou não, pela Lei de cotas e também de pessoas em reabilitação social”. Complementa Yvy, que também vice-presidente da ANEA.

Pela experiencia de 5 anos da metodologia, a Instituição viu a oportunidade de adequar a metodologia as demandas que surgiram e criou modalidades de EA que possibilitam, não somente a entrada no mercado de trabalho, mas que também atendem os acadêmicos e os atletas que precisam de apoio no momento da transição.

Os modelos hoje aplicados de Emprego Apoiado na Unilehu são:

EA Social –   Nesta modalidade é realizada uma avaliação junto ao candidato, para traçar seu perfil vocacional, com a descoberta de pontos fortes, interesses e necessidades de apoio para sua inclusão no mercado de trabalho. Também, é feita a busca de uma vaga customizada e adaptada, sendo a pessoa acompanhada de um técnico durante um período determinado.

EA Retenção – Surgiu com a necessidade de atender as empresas e os participantes que já fazem parte do quadro de funcionários, e que devido à transferência de departamento, promoção ou readequação de função, necessitam de maior apoio para a realização das novas atividades.

EA Inclusão – Realiza a inclusão de forma individual, ou coletiva, de acordo com a solicitação apresentada pela empresa contratante, e do perfil dos participantes em busca de emprego.

EA Acadêmico – Realiza a inclusão de forma individual da pessoa com deficiência dentro das universidades. O técnico acompanha o aluno durante a graduação, auxiliando em seu relacionamento com colegas e professores e na busca por estágio ou emprego na área escolhida.

EA  Esportivo – Tem como objetivo auxiliar os paratletas durante o período de atividade esportiva para que, de forma paralela aos treinos, possam trabalhar em empresas que incentivam a participação em campeonatos. Outra situação em que o EA atua é com relação a fase de transição do paratleta, quando ele deixa de participar das provas e deseja iniciar nova carreira profissional.

No dia 5 de outubro, a ANEA iniciou um curso que abordará conceitos e exemplos relacionados a história e conceito do método do Emprego Apoiado, fases da metodologia, carreira do Consultor de Emprego Apoiado, avaliação e implantação de programas. Ele é destinado para você que trabalha em organizações sociais (associações ou fundações) que atendem as pessoas com deficiência ou se trabalha em uma empresa que deseja contratar trabalhadores com deficiência.

Clique aqui e acesse: https://www.aneabrasil.org.br/Curso-em-Outubro-Introducao-ao-Emprego-Apoiado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *